Clínicas de Recuperação: Como Recuperar Dependentes Químicos

Quando um dependente é encaminhado para uma clínica de recuperação, sua principal vontade é de se recuperar totalmente e não voltar a usar drogas em qualquer momento de sua vida futura.

Ele próprio carrega todas as expectativas, principalmente quando tomou a decisão de se livrar da dependência.

Além dele, seus familiares estão unidos em torno do mesmo objetivo, certamente com orações e com palavras de apoio, torcendo para que ele possa retornar e reassumir seu lugar na sociedade, na vida familiar e profissional.

Um dos maiores problemas provocados pela dependência é o fato de ser uma doença incurável.

As clínicas de dependentes químicos possui métodos, terapias e medicamentos que fazem com que o dependente possa se livrar das drogas e retomar sua vida normal, ficando longe do meio em que vivia.

No entanto, o dependente pode apresentar recaídas, sendo uma situação mais comum do que se pensa.

Claro que, desde que tenha o apoio familiar e dos amigos e a consciência de que não deve retomar a vida no mundo das drogas, certamente ele terá uma vida normal, retornando ao trabalho ou aos estudos e a uma vida social mais saudável.

O que são as Clínicas de Recuperação

As clínicas de recuperação é um estabelecimento médico, especializado no tratamento de pessoas dependentes de drogas, utilizando terapias individuais e personalizadas e buscando atender as características de cada paciente atendido.

Em seu quadro clínico, a clínica comporta médicos especializados em drogas psicoativas, psicólogos, psiquiatras e terapeutas, além de enfermeiros, todos voltados em tempo integral para o tratamento de dependentes químicos, aplicado as terapias, medicamentos e métodos para que o usuário de drogas possa passar pelos momentos mais dolorosos e dramáticos do tratamento, como a síndrome de abstinência e, depois, pelas etapas subsequentes, onde vai se conscientizar da sua situação.

De uma forma geral, a clínica de reabilitação é instalada em locais onde o acesso é mais difícil e restrito, como sítios ou chácaras, preferencialmente fora do ambiente urbano, em meio à natureza e com espaços mais amplos para atender os dependentes.

Essa escolha é feita em razão de oferecer mais tranquilidade aos pacientes, além da discrição necessária para essa fase tão sensível na vida do dependente.

A clínica, em razão dessas condições, oferece também acomodações, onde os dependentes que precisam ficar internados possam receber todos os cuidados exigidos pelo tratamento intensivo, principalmente para aqueles que estão em graus mais elevados de dependência.

As Clínicas de Reabilitação e os Métodos de Tratamento

Como dissemos anteriormente, a dependência química é uma doença incurável.

Grande parte das pessoas, que não possui maior conhecimento ou intimidade com o mundo das substâncias psicoativas, considera que, quando uma pessoa se torna usuária e não consegue sair, esse fato é devido à falta de personalidade ou de caráter.

No entanto, as drogas criam uma dependência química que age tanto no cérebro quando no organismo do usuário, causando sérios danos, que se agravam a cada vez que o usuário volta a fazer uso das substâncias às quais está acostumado.

Dessa forma, a clínicas de reabilitação não oferece a cura para a doença, mas sim a possibilidade de o dependente químico passar por um tratamento adequado, personalizado, para que deixe de fazer uso das substâncias, tomando a consciência de que deve se livrar da dependência e encontrando em si próprio os meios de lutar contra ela.

O que devemos considerar, afinal, é que a dependência química é uma doença que, mesmo incurável, possui um tratamento, podendo livrar o usuário das drogas definitivamente, se o próprio dependente assim o desejar.

Nesse caso, é importante que ele tenha vontade e mantenha sua vida direcionada para a busca de objetivos mais elevados e saudáveis.

Assim, a clínicas de reabilitação se disponibiliza para conduzir o dependente a novos caminhos, tornando-se uma das melhores formas para que um usuário de substâncias ilícitas possa encontrar novamente um modo de vida saudável, participando ativamente da vida social e profissional, vivendo em harmonia com sua família e buscando se desenvolver e crescer física e espiritualmente.

Centro de Tratamento e seu Funcionamento

Um centro de tratamento contra dependência química é voltada para qualquer tipo de dependente químico, em qualquer grau de dependência.

Alguns dependentes químicos entendem sua própria condição, assumem que precisam de ajuda e apoio para abandonar as drogas e demonstram vontade de procurar um tratamento.

Quando ocorre essa situação, o dependente é internado no momento em que deseja, dando início ao tratamento personalizado de que precisa, uma vez que cada caso de dependência é único e diferente, principalmente com relação ao estado psíquico da pessoa.

Existem casos, no entanto, em que o dependente está nos limites mais extremos da dependência e que não aceitam qualquer ajuda ou apoio, ou quando estão colocando em risco sua própria vida ou a vida de seus familiares.

Nessa situação, em grande parte das vezes, é necessária uma atitude mais drástica, encaminhando o dependente de forma compulsória para a centro de tratamento contra dependência química.

A internação compulsória é feita através de solicitação ao Poder Judiciário, para que o juiz expeça uma autorização de forma que o dependente seja encaminhado à clínica para se submeter ao tratamento.

Os procedimentos aplicados no centro de tratamento contra dependência química podem ser comuns a todos os internados, como a aplicação de psicoterapia, o uso de determinadas medicamentos e, principalmente, a internação, para que ele não esteja em contato com pessoas com quem convivia.

No entanto, cada dependente químico é tratado de uma forma exclusiva, ou seja, não existe um procedimento único que possa atender a todas as necessidades.

Os profissionais fazem uma avaliação do paciente e, de acordo com suas condições físicas e emocionais, aplicam um tratamento exclusivo e personalizado.

Dessa forma, cada paciente é tratado conforme seu grau de dependência e conforme suas condições físicas e mentais, sendo orientado pelos profissionais de acordo com suas necessidades específicas.

O Tratamento da Abstinência nas Clínicas de Recuperação

Para todo e qualquer dependente, sem sombra de dúvida, o problema mais sério a ser tratado é a crise de abstinência.

Trata-se da fase mais difícil para qualquer paciente, principalmente em razão de seu organismo já estar dependente das drogas que utilizava.

Quando o dependente não consegue a quantidade necessária de drogas para se manter no estado letárgico provocado por elas, seu organismo apresenta algumas reações, levando o paciente a ter sintomas próprios da abstinência, como, por exemplo, crises de ansiedade e irritabilidade, além dos sintomas físicos, como convulsões, dores pelo corpo, tremores e desconforto físico.

Durante o tempo em que estiver internado, o paciente terá as condições e o tratamento adequado para superar essa fase, sendo encaminhado para um processo de desintoxicação, sempre acompanhado pelos profissionais responsáveis pelo tratamento.

Nessa fase de desintoxicação, o paciente enfrenta um período em que seu corpo é limpado de todas as drogas, eliminando todas as tóxicas e, aos poucos, reduzindo os sintomas da crise de abstinência, o que o torna mais suscetível ao tratamento.

Ao desintoxicar o organismo, o paciente consegue melhores possibilidades de reabilitação, física e mentalmente, tendo de novo a consciência e a sobriedade para encarar o restante do tratamento.

As clínicas de recuperação, dependendo da situação de cada paciente tratado, também toma as providências exigidas para que o processo de desintoxicação se torne mais rápido e isso pode ser feito através de alguns medicamentos e de alimentação especial.

Como cada situação é única, o tratamento na clínica pode ser feito com o sistema de internação em tempo integral, no caso de dependentes mais graves ou, quando o paciente se dispõe a participar do processo de desintoxicação, também através de tratamento ambulatorial.

No tratamento ambulatorial não é necessária a internação, utilizando apenas as terapias adequadas e os medicamentos, permanecendo o paciente em sua própria residência uma parte do tempo.

Escolha da Clínica de Recuperação

Para encaminhar um dependente químico para uma clínica de recuperação é necessário que os responsáveis (amigos ou familiares) procurem conhecer sua estrutura e os profissionais que nela atuam.

É preciso obter o máximo de informações para ter certeza de que o tratamento terá mais chances de dar resultados, principalmente através de referências de pacientes que já passaram pelo tratamento.

Os responsáveis pela busca da clínicas devem conversar com os profissionais e tirar todas as dúvidas que apresentam, conhecer o ambiente da clínica, as acomodações designadas para os pacientes, a metodologia aplicada e também o cronograma das atividades programas para os internados.

Além disso, um dos pontos principais a serem analisados, é se a clínica tem a aprovação do Ministério da Saúde, já que deve estar totalmente legalizada para o atendimento dos dependentes.

Existem profissionais que têm uma postura diferenciada com relação à internação de dependentes em uma clínica de recuperação.

Essa posição toma por base alguns padrões estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde, indicando o grande número de recaídas. No entanto, existem casos em que o melhor tratamento é a internação.

Como existem os mais variados casos de dependência química, é preciso analisar cada paciente e considerar como deve ser o seu tratamento.

Ou seja, não é apenas porque uma pessoa esteja dependente que ela deve ser internada. Existem diversos métodos para que ela possa se recuperar.

Somente através de exames físicos e mentais, com uma completa análise do paciente, é que os profissionais poderão tomar uma decisão mais acertada.

Podemos entender que um dependente químico só pode ser internado de forma involuntária, através de medidas judiciais, quando sua situação é extremamente grave, quando ele é diagnosticado como psicótico.

Como a maior parte dos dependentes de drogas não chegam a essa situação, outros métodos podem ser aplicados, principalmente quando eles se mostram dispostos a colaborar com sua própria recuperação.

Os familiares, portanto, precisam conversar com os profissionais responsáveis pelas clínicas de recuperação depois que o paciente for diagnosticado, atendendo suas necessidades, fazendo a internação apenas quando essa condição for a ideal para o dependente.

Trata-se de uma situação que não pode ser resolvida apenas pela vontade dos familiares. Apenas os profissionais, médicos e psiquiátricos, é que podem fazer o diagnóstico e definir se o dependente deve ser internado ou não na clínicas de tratamento contra dependência química.

A partir do diagnóstico, o dependente terá uma situação mais definida, principalmente considerando o seu estado de dependência, aplicando o tratamento mais adequado para cada situação física e mental.

Os tipos de internação nas clínicas de recuperação, dessa maneira, serão escolhidos de acordo com o estado geral do paciente.

Entre esses modelos de internação, podemos considerar os seguintes:

Internação Voluntária

Para a maior parte dos dependentes químicos, a internação voluntária é a mais eficiente.

Nesse caso, o paciente concorda com o tratamento, dispõe-se a colaborar com a terapia aplicada e procura de clínicas de recuperação.

Na internação voluntária é o próprio dependente químico quem faz a solicitação e assina um documento consentindo com a opção de tratamento em regime de internação.

Nesse caso, mesmo com o consentimento do paciente, é preciso ter a autorização de um profissional devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina, atestando que o dependente tem necessidade do tratamento.

Para o dependente químico que aceita a internação voluntária, o tratamento sempre se mostra mais eficiente, já que é ele próprio quem reconhece sua necessidade de evitar o uso de drogas, colaborando com o tratamento e, dessa maneira, criando ele mesmo mais possibilidades de recuperação.

Internação Involuntária

No caso de internação involuntária em clínica de recuperação, o procedimento é indicado apenas quando uma pessoa tem necessidade de tratamento, embora não concorde com isso.

A internação, nesses casos, deve ser feita através de familiares ou de responsáveis pelo dependente.

A partir do momento em que os profissionais da clínica de reabilitação atestam a necessidade de tratamento, com a autorização de um médico psiquiatra, a internação deve ser informada ao Ministério Público, informando os motivos dessa opção, uma vez que o dependente não pode ser mantido na clínica contra sua vontade.

A internação involuntária só pode ser feita através de mandado judicial e será mantida até o momento em que os profissionais responsáveis estejam convictos de que o paciente está recuperado.

Portanto, a alta do paciente só vai ser dada quando os responsáveis novamente comunicarem ao Ministério Público.

No entanto, a internação involuntária só é feita em casos extremos, quando o dependente químico não estiver mais em condições de tomar suas próprias decisões.

A partir do momento em que o dependente não consegue mais manter controle sobre suas atitudes, quando já está causando danos à sua saúde, trazendo prejuízos para a vida familiar, profissional e pessoal, ele deve ser encaminhado para o tratamento através da internação involuntária.

Internação Compulsória

A internação compulsória só é feita quando o caso se torna ainda mais grave do que aquele que exige internação involuntária.

Nesse caso, não é preciso haver autorização dos familiares ou responsáveis e nem mesmo do paciente.

A determinação da internação compulsória em clínicas de recuperação é feita através de um juiz, atendendo a pedido específico feito por um médico psiquiatra e este deve declarar que o dependente não apresenta qualquer capacidade de manter o controle sobre sua situação física e mental.

A internação compulsória é um ato previsto em lei, precisando ter a participação de médicos e enfermeiros especializados em tratamento de dependência química, principalmente quando houver resistência por parte do paciente.

O juiz só pode tomar a decisão de internação compulsória através da análise de laudos médicos, além de verificar a situação do próprio dependente e as condições de segurança necessárias para que ele passe pelo tratamento.

Em todos os casos de internação, a clínica  se responsabiliza em avisar os familiares no prazo de 24 horas sempre que houver uma ocorrência que exija o comunicado.

A dependência química deve ser tratada como uma doença crônica, como realmente é, que precisa ser controlada, uma vez que não possui cura.

O dependente, depois de tratado, deve manter controle sobre suas atitudes, evitando qualquer recaída, já que isso poderá ser ainda mais prejudicial.

As clínicas de recuperação pode ajudar o dependente a ser recuperar, levando-o novamente a uma vida normal, embora ele, como dependente, continue nessa condição pelo resto de sua vida.

Um dos maiores problemas da dependência de drogas é que o usuário pode apresentar inúmeros problemas associados às substâncias psicoativas, o que faz com que seja importante ele ter consciência da dependência como doença.

Em caso de recaída, o dependente pode se tornar um usuário obsessivo e, nessa condição, pode ser levado a situações ainda mais extremas, inclusive ao suicídio.

As clínicas de recuperação, portanto, pode ser a melhor solução para o tratamento de maconha ou para qualquer outro caso de dependência de drogas.